Mais que o direito de torturar, é o dever de torturar

legado Bush

legado Bush

Por Murilo Silva

Ontem no Bom Dia Brasil ouvi a seguinte frase no off da repórter:

“Nos Estados Unidos, quando alguém é preso, os polícias falam dos direitos do acusado. Ele tem direito a ligar para um advogado e o direito de se manter calado. Mas no caso de terrorismo há uma ‘exceção’, e o FBI pretende usar essa ‘exceção’ para fazer Dzhokhar Tsarnaev falar”

A “exceção” de que o texto trata mora na lei antiterror aprovada na gestão de Bush, em 2006.

A lei prevê a utilização de “métodos agressivos” em interrogatórios de suspeitos de terrorismo.

Bane o habeas corpus – um dos maiores pilares do direito ocidental.

E prevê que os acusado sejam julgados por tribunais militares, inclusive em tribunais formados além mar.

A “exceção”, caro colaborador, significa tortura.

Não se trata apenas de uma permissão para torturar, trata-se do dever de torturar. Um dever sagrado de torturar em nome da segurança nacional.

O legado da Doutrina Bush é a institucionalização da tortura.

A institucionalização da tortura cria um não lugar jurídico: todos passam a ser autores, não cumprisses apenas, mas autores da tortura, mesmo os que não concordam com ela. O Estado passa a ser o criminoso.

Quando todos são culpados na teoria, ninguém é culpado na prática.

No ponto de vista político, a coisa não é mais animadora. A guerra ao terror foi comparada por muitos como a última Cruzada. Ao contrário das guerras mundiais, a guerra ao terror é uma guerra sem fim.

Uma guerra alimentada pelo ódio. De lado a lado. A tortura de fiéis islâmicos aumenta esse ódio.

O radicalismo islâmico é o menor dos problemas do mundo se comparado ao radicalismo americano.

Veja aqui, que a ex-senadora Sarah Palin, do Tea Party, defendeu hoje em rede nacional a invasão da República Checa – país de origem dos irmãos Tsarnaev, autores do atendado na Maratona de Boston.

O medo e o ódio retroalimentam a guerra sem fim.

O que Dzhokhar Tsarnaev fez já foi julgado. Ele esta condenado. Nesse instante ele é o mais solitário dos homens sobre a face da terra. Ele esta só contra o Leviatã.

Anúncios

Sobre Murilo Silva

Jornalista por acidente.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Mais que o direito de torturar, é o dever de torturar

  1. Rose Talber disse:

    Tenho pena deste tchetcheno. Sequer sabemos se ele é o real culpado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s