É preciso otimizar o nosso amor

Por Bruno Pavan

O amigo colaborador já soube, aqui neste espaço, o que não deixa o paulistano dormir.

A especulação imobiliária, esse latifúndio urbano, vai muito bem, obrigado.

Tanto é que uma empreiteira está com projeto de erguer um prédio na Vila Olímpia, bairro nobre de São Paulo, cercado pela Marginal Pinheiros e Faria Lima em que os “apartamentos” terão 19m2 e vão sair pela bagatela de R$ 260 mil.

Um reflexo da vida moderna, dizem uns.

Temos que viver com menos espaço em prol do bem estar urbano, talvez.

E depois saímos pra trabalhar em nossas SUV, talvez até maiores que o espaço que temos para morar, movidas a óleo diesel soltando sólidas fumaças pelo ar.

O século XXI, a geração X (ou Y, nunca sei direito) tem uma palavra de ordem: OTIMIZAÇÃO.

Nelson Rodrigues, quase cem anos atrás, chamava atenção para os “idiotas da objetividade” nas redações Brasil a fora.

Hoje, a palavra de ordem dos idiotas da vez é a tal da OTIMIZAÇÃO.

E enquanto houver otimização, caro roqueiro, não vai haver poesia.

Poesia é pra quem tem tempo a perder e a geração OTIMIZADORA não tem.

Se otimiza gastos, tempos, espaço… até Hobbies…

Li outro dia que o esporte dos executivos modernos é o golf.

Porque o jogo é longo e você pode fazer negócios entre uma tacada e outra.

A poesia do otimizador é a palestra motivacional da empresa.

Em que ele sai cuspindo expressões e novas táticas pra sua equipe sair do vermelho.

Esse é o tempo bem gasto.

O otimizador cai também na sua incoerência: ele se orgulha de atender ligações do trabalho fora de seu expediente.

Seu tempo, afinal das contas, não é tão otimizado assim.

Um papo com um desses não aguenta cinco minutos sem voltar ao escritório.

Para otimizar mais ainda a vida, este editor sugere a criação de algumas otimizadorias por aí.

Falta ao otimizador o jogo de cintura dos “pessimizadores”.

Quando seus conhecimentos empresariais não tem a resposta, não há mais onde procurar.

Sendo que em um samba de três minutos, em uma poesia de poucos versos ou em uma crônica da Vinícius pode ser encontrada a resposta.

Mas o otimizador tem o livro do Eike Batista na cabeceira e tudo precisa ser transformado em lucro.

Nos otimizados 19m2 não se acha resposta fora das planilhas.

Só resta uma certeza, é preciso acabar com a natureza, é melhor OTIMIZAR o nosso amor.

(E qual não foi a surpresa deste editor ao ver as cobrinhas vermelhas embaixo da palavra otimizar.

O editor de texto pede que se troque a feia palavra por “aperfeiçoar”.

É a Microsoft, quem diria, fazendo uma silenciosa resistência ao vocabulário do século XXI)

Anúncios
Esse post foi publicado em Crônicas e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para É preciso otimizar o nosso amor

  1. Pingback: Quem foca demais, dança de menos |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s